Em ranking de eficiência, prefeituras da região recebem avaliação ruim - Folha de Alphaville
14/12/2018
POLÍTICA
Em ranking de eficiência, prefeituras da região recebem avaliação ruim
Dados indicam que quanto maior o gasto com servidor, menor a qualidade do serviço entregue à população
Gláucia Arboleya
(Arte Folha de Alphaville/Agência Impacto)

s prefeituras de Barueri e de Santana de Parnaíba não são eficientes, de acordo com dados do REM – F, Ranking de Eficiência dos Municípios – da Folha de S. Paulo. Segundo o levantamento, quanto maior o percentual de aumento do número de servidores entre 2004 e 2014, pior a eficácia das gestões no atendimento nas áreas de saúde, educação e saneamento. Elaborado em uma escala de 0 a 1, o estudo considera “eficientes” os municípios que ultrapassem 0,50.

Santana de Parnaíba aparece na colocação nacional em 1.984º lugar, índice 0,47 (alguma eficiência). Apesar disso, quando são analisados individualmente os itens educação, saneamento e receita total, a cidade ultrapassa a meta nacional em todas as áreas. A melhor avaliação fica para educação, com 0,714, enquanto o país possui taxa média de 0,509. Em saúde, Parnaíba ficou abaixo do índice do Brasil, 0,500; com 0,499.

Em Barueri, na posição 3.000 da lista, com nota 0,44 (pouca eficiência) o cenário se repete. O município alcançou metas melhores do que as do país em todas as áreas. Em saneamento, por exemplo, com 0,968, enquanto a taxa brasileira é de 0,567.

Tendo como base a análise do Ranking [quem entrega mais saúde, educação e saneamento gastando menos], o prefeito de Parnaíba Elvis Cezar (PSDB), disse à reportagem que a conta é equivocada. “Na minha cidade não tem como. Se alguém mostrar como faz melhor eu vou lá aprender”, alfinetou. “No Ideb somos a cidade que mais cresceu no Estado. Na saúde, pelo índice do Tribunal de Contas, somos a única do eixo oeste que recebeu conceito A. Avançamos muito”, avaliou. “Só tenho feito isso, equacionado procedimentos”, falou Elvis Cezar. O prefeito citou que a geografia da cidade implica em maiores investimentos.

Projeto de Lei
Aprovado na Câmara e pendente da sanção presidencial, o Projeto de Lei complementar 270/2016 livra as prefeituras que ultrapassarem o limite de 60% da receita com servidores de punições previstas na Lei de Responsabilidade Fiscal. Valerá para municípios que tiverem perda de arrecadação e vai beneficiar principalmente as administrações que mais contrataram funcionários nos últimos anos e que tendem a ser menos eficiente, conforme ranking mencionado acima.