Na região, perspectiva de vendas da Black Friday é de R$ 10 milhões - Folha de Alphaville
15/11/2018
ECONOMIA
Na região, perspectiva de vendas da Black Friday é de R$ 10 milhões
A data dos “superdescontos” acontecerá oficialmente no próximo dia 23. Os dados se referem ao e-commerce
Gláucia Arboleya
No shopping Tamboré, o horário de funcionamento será estendido nos dias 23 e 24. A abertura será das 10h às 23h (Michela Brígida/Folha de Alphaville)

No próximo dia 23 acontece a Black Friday (www.blackfriday.com.br), data oficial da temporada de “superdescontos” nos principais varejistas. Na região, a previsão de vendas no e-commerce é de R$ 10 milhões, sendo a maior fatia em Barueri (R$ 9 milhões); em Santana de Parnaíba a estimativa é ultrapassar R$ 1 milhão. No Estado de São Paulo a movimentação deve ser de R$ 916 milhões.

Os dados foram repassados com exclusividade à Folha de Alphaville pelo diretor e porta-voz da Black Friday, Ricardo Bove. Segundo ele, a expectativa é “de novamente quebra de recordes de faturamento. Uma pesquisa realizada pelo BlackFriday.com.br com consumidores que já compraram no evento ao menos uma vez demonstram que 84% teve uma experiência boa ou ótima e 97% pretende comprar novamente, isso demonstra a maturidade dos consumidores e lojistas após esses nove anos da data”, afirmou Ricardo.

Dicas
De acordo com o diretor do evento, entre as principais dicas para o consumidor, está a necessidade de pesquisar e anotar todos os preços do que se pretende comprar na Black Friday. “Pode acontecer de aparecerem ofertas de oportunidade fora da data do evento e você não vai querer perder”, ressaltou.

Também é importante atualizar ou criar cadastro nos principais varejistas, seja no site ou aplicativo. “Não se esqueça de confirmar se o endereço de entrega está correto”. Ricardo orienta ainda sobre a internet. “Assegure que sua internet está funcionando bem, tanto no computador, quanto em dispositivos (smartphone ou tablet). Não seria legal ela travar no meio da compra”, explicou.

Para os lojistas, a estratégia é focar na antecipação. “A publicidade fica cada vez mais onerosa perto do dia do evento, portanto oferecer cadastro com vantagens ao longo de novembro garante que o lojista tenha contato direto com seu consumidor durante o evento”, concluiu o porta-voz da Black Friday.

Para não ter surpresas ruins e não ser prejudicado, o cliente pode verificar nos sites especializados, como Procon (www.procon.sp.gov.br), a lista de lojas não recomendadas.

Shoppings
De acordo com estudo realizado pela Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce), o setor de shopping centers espera faturar 8% a mais no período da Black Friday  este ano, em comparação com 2017.

Além dos descontos, os empreendimentos também oferecerão outras vantagens aos clientes, como horários diferenciados de abertura e estacionamento cortesia. Na maioria dos centros de compras, a Black Friday acontecerá durante três dias: 23, 24 e 25 de novembro. Os segmentos que irão alavancar as vendas são de telefonia, artigos de informática e vestuário, tendo como ticket médio de compras R$ 300.

Na região, o Shopping Tamboré (Avenida Piracema 669), terá horário estendido nos dias 23 e 24, das 10h às 23h. No dia 25, o funcionamento será normal de domingo, das 12h às 20h.

App
A Precifica, atuante na área de precificação dinâmica do comércio online, criou um sistema para que os compradores possam acompanhar, em tempo real, os valores dos produtos. O endereço do site para verificar os preços nesta Black Friday é https://www.precifica.com.br/black-friday-ao-vivo/.

Valor
Segundo levantamento feito pelo Méliuz, empresa de cashback do Brasil, de 8 a 12 de outubro com 2619 consumidores, mostra que a maior parte deles (24%) pretende gastar de R$1000 a R$ 2999 durante a temporada da Black Friday.

Em 2018, a internet continuará a ser o principal canal de compra de 79% dos entrevistados e 20% devem variar entre lojas onlines e físicas. Entre os produtos mais desejados estão as roupas (44%), calçados (37%), produtos de Informática (32%), livros online e físicos (32%) e smartphone (30%).