Vamos brindar? - Folha de Alphaville
08/02/2019
COLUNISTAS
Vamos brindar?
A curiosa história por trás do brinde (parte 2)
Colunista da Folha de Alphaville

Outros relatos mostram que o ato de realizar um brinde teria se originado também na antiguidade, mas por outro motivo: o brinde selava o fim dos conflitos. Na época em questão, o envenenamento através da bebida era uma das formas mais fáceis de atingir o inimigo. Durante os banquetes de acordo de paz, os líderes ou anfitriões batiam suas taças fortemente contra a de seus adversários, fazendo com que os líquidos passassem de uma taça para a outra e garantindo assim aos convidados que o vinho não estava envenenado e que ninguém seria intoxicado. Por isto, o hábito de se desejar “saúde!”.

Outra narrativa, afirma que o ato de tilintar as taças teria se iniciado com o deus grego do vinho, Dionísio. Ao sugerir o bater das taças ou copos, o Deus do vinho fez com que o sentido auditivo também começasse a participar do prazer da bebida, tornando a experiência sensorial da degustação completa.

O fato é que são várias as versões que explicam a origem do brinde, mas seja para prevenir doenças, festejar vitórias, saudar divindades, ou celebrar conquistas, o fato é que um brinde significa boas vibrações. Portanto, taças erguidas e… Saúde! Tim-tim!

Desfrute! Deguste!




Luciana Zarif tem formação jurídica e é sommelière há 10 anos na área do vinho. É também especialista e consultora e atualmente trabalha na V&A Vinhos e  azeites.

redacao@folhadealphaville.com.br