Mesmo sem Barbosa, eleição tem até 20 presidenciáveis - Folha de Alphaville
11/05/2018
POLÍTICA
Mesmo sem Barbosa, eleição tem até 20 presidenciáveis
Por enquanto 20 legendas apresentaram nomes; apenas em 1989 houve tantos concorrentes
Paulo Talarico
Barbosa alegou motivos pessoais para declinar da postulação (Nelson Jr./STF)

O ex-presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Joaquim Barbosa, anunciou nesta semana que não disputará a eleição deste ano. Mesmo com um nome a menos na corrida eleitoral, o cenário de 2018 ainda apresenta a maior fragmentação na corrida presidencial desde 1989 e até 20 concorrentes se colocam atualmente como pré-candidatos ao cargo.

Na primeira eleição após a redemocratização, 22 nomes se colocaram como opção na disputa que levou o ex-presidente Fernando Collor ao poder. Desde então, a eleição com mais candidatos foi a de 1998, quando Fernando Henrique Cardoso (PSDB) buscava a reeleição e teve 10 concorrentes no páreo.

Em 2014, quando a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) foi reeleita foram oito candidatos, sendo que o ano com menor número de postulantes foi em 2002, na primeira vitória de Lula (PT), com seis presidenciáveis. Na lista atual, há uma série de políticos que ainda podem se unir em uma eventual coligação, mas num contexto bem mais incerto do que nas últimas disputas. Restam cinco meses para a eleição, mas entre julho e agosto, as conven- ções oficializarão as chapas de cada partido.

Nomes
Na contagem realizada pela Folha de Alphaville e que aponta 20 pré-candidatos foram levados em conta apenas uma postulação por partido, sem contar o plano B de algumas siglas. É o caso do PT que ainda pode ter mudanças na cabeça de chapa.

Preso pela condenação em segunda instância no caso do tríplex do Guarujá, o ex-presidente Lula segue sendo citado como o pré-candidato do PT. O partido lançará um nome e o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad e o ex-governador da Bahia, Jaques Wagner, aparecem como alternativas.

Na sequência, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) e a ex-senadora Marina Silva (Rede) são os mais citados em pesquisas eleitorais.

O PSDB tem o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin como aposta para este ano e o tucano ainda tenta atrair siglas como PMDB, DEM e PSD. Todas elas, no momento, afirmam ter pré-candidatos próprios.

O presidente Michel Temer é cotado à reeleição pelo PMDB, mas tem também a presença do ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles na mesma legenda. No caso pessedista, Guilherme Afif Domingos se coloca como um pré-candidato e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM) ainda não entregou os pontos. Outra legenda com nome lançado é o Podemos, com Álvaro Dias.

Esquerda

Além do PT, outros nomes do campo da esquerda estão colocados. Caso de Ciro Gomes (PDT), que tem tentado dialogar também com o empresariado. O PC do B colocou Manuela D’Ávila e o PSOL, Guilherme Boulos como pré- candidatos. Ex-integrante do PC do B e do PSB, o deputado federal Aldo Rebelo é pré- candidato do Solidariedade. O PSTU, do bordão contra burguês vote 16, apresentou Vera Lúcia para a disputa.

Outros nomes.
A eleição deste ano deve ter uma forte presença de representantes do empresariado, que defendem a diminuição do estado e mais ações da iniciativa privada na gestão dos serviços públicos. Ex-presidente da Riachuelo, Flávio Rocha se filiou ao PRB para a corrida eleitoral.

Outro nome que defende bandeiras do mercado é João Amôedo, do Partido Novo, fundado nos últimos anos e com a promessa de ser diferente das outras 35 legendas existentes. Também entra na corrida o ex-presidente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Economico e Social), Paulo Rabello de Castro (PSC).

Soma-se a eles, partidos nanicos que se repetem eleição após eleição. Caso de José Maria Eymael (PSDC), do jingle eterno de democrata cristão, Levy Fidelix (PRTB) “o homem do aerotrem”, além da ex-apresentadora do Fantástico Valéria Monteiro (PMN) que ainda discute com a legenda sua postulação. E em uma eleição que relembra 1989, o vencedor daquele pleito não poderia ficar de fora: o senador Fernando Collor se lançou pelo PTC.