Prefeitos devem manter ampla maioria nas Câmaras - Folha de Alphaville
01/02/2018
POLÍTICA
Prefeitos devem manter ampla maioria nas Câmaras
Paulo Talarico

As Câmaras Municipais encerram oficialmente o recesso nesta semana e apesar do ano eleitoral em curso, os parlamentares afirmam que a disputa de 2018 não irá afetar os trabalhos dos vereadores. Ao menos é o que enfatizam os presidentes dos legislativos de Barueri e de Santana de Parnaíba.

Os parlamentares sinalizaram ainda que os dois prefeitos devem manter amplas maiorias na Casa, o que tem facilitado na aprovação de projetos e reduzido o número de críticas às gestões dentro do parlamento. Apesar de o retorno oficial ser na próxima terça-feira (6/2), os parlamentares baruerienses já tiveram uma sessão extraordinária nesta semana para votar projetos enviados pelo prefeito Rubens Furlan (PSDB)

Presidente da Casa, Carlinhos do Açougue (DEM) minimizou o impacto que o período eleitoral terá. “Para nós no legislativo não muda nada, vamos continuar no mesmo sistema do ano passado, tentando ajustar a Casa, com economia”, afirmou Carlinhos. O democrata ressaltou que houve a devolução de quase R$ 13 milhões para a prefeitura, no ano passado. “As prioridades são as necessidades do povo”.

Em Barueri, o cenário da disputa eleitoral pode ser acirrado, tendo em vista o número de possíveis candidatos. Entretanto, a tendência é que Furlan mantenha o atual nível de adesão – todos os 21 vereadores fazem parte da base aliada. A base aliada tem sido assim desde a disputa eleitoral. “Não [deve mudar] aqui está tranquilo, não vamos ter diferença esse ano, não tem oposição. Está todo mundo tranquilo e não vejo que vá ter problema este ano”. 

Parnaíba
No caso de Santana de Parnaíba, a Câmara tem atualmente dois vereadores na oposição entre os 17 parlamentares. Ângelo da Silva (PEN) e Magno
Mori (PSB). No final do ano passado, o vereador Doutor Rogério (PC do B) foi cassado e seu substituto, Kadu da Farmácia (PC do B) afirmou que iria aderir ao grupo de Elvis Cezar.

“A Casa sempre foi um plenário de discussões e a oposição nos ajuda muito a crescer a trabalhar mais, sempre tem que ter um pensamento contrário
até para que possa melhorar o prefeito e o vereador da base”, afirmou Marcos Tonho (PSDB), presidente da Câmara. “A prioridade é fazer um um ano de forte trabalho, a Casa de Leis vem se mostrando nesses últimos tempos uma casa com muitas indicações para o prefeito, chegaram a
quase 8 mil de 2017”, disse.

Tonho disse esperar um ano menos polêmico do que 2017, quando houve a votação de um processo de cassação e as contas do ex-prefeito Silvinho Peccioli (DEM). “Espero que não venha novas ações, porque é um desgaste muito grande para a Câmara”, disse. “Mas a Casa de Leis está para receber
qualquer tipo de denuncia, e cabe ao plenário definir”.