05/02/2018
ESPORTES
Após título no Dakar, piloto de Alphaville mira Sul-Americano
Reinaldo Varela comemorou nesta semana título e conta estratégias de uma das principais provas do calendário
Paulo Talarico
Foto: José Mario Dias/photosdakar.com

O piloto Reinaldo Varela comemorou nesta quinta-feira (1º/1), em Alphaville, o título do Rally Dakar, conquistado ao lado do navegador Gustavo Gugelmi na categoria SxS, antiga UTV. Morador da região e proprietário da rede de restaurantes Divino Fogão, o empresário já mira a sequência da
temporada quando disputará o Sul-Americano.

A vitória veio no dia 20 de janeiro após passar por Peru, Bolívia e Argentina e Varela afirma usar o jeito que administra os negócios nos circuitos. A competição continental passará pelos mesmos países, o que pode ajudar na preparação para o Dakar de 2019.

“O jeito que eu administro o restaurante eu administro minha carreira no automobilismo que começou antes do Divino Fogão que tem 33 anos”, conta o piloto. 

Foi a sétima participação dele no Dakar e para conseguir a vitória, a dupla estudou bastante o trajeto, com uma mudança na característica dos últimos ralis. “Normalmente o Dakar começa pelas estradas e finaliza em dunas, neste ano ele começou pelas dunas e finalizou nas estradas”, explica o piloto.

As dunas são a parte mais complicada do trajeto, em função da dificuldade em visualizar o que há na frente, além de exigir mais do veículo. “Usei uma estratégia de não gastar o carro, e sabia que tinha um equipamento que andava muito bem nas dunas e tinha que aproveitar isso. Tivemos um bom aproveitamento nessa parte, e depois conseguimos administrar os lugares onde a gente também tem muita experiência que são as estradas e os lugares difíceis de passar”, completa.

Varela também cita a importância de toda a temporada de 2017, que facilitou na disputa. Foram 8.793 quilômetros de prova com trechos em que os carros percorreram mais de 1 mil quilômetros, sem auxílio mecânico. “A vitória ela não vem só de um rali, ela vem dos treinos que a gente faz que são outras corridas”, reforça.

“O Dakar é uma corrida única, você tem que ir bem preparado, com uma bagagem para poder concluir. Terminar a prova é muito difícil”.