Preço do diesel em Alphaville é menor que o desconto concedido pelo governo - Folha de Alphaville
07/06/2018
ECONOMIA
Preço do diesel em Alphaville é menor que o desconto concedido pelo governo
Combustível nos postos está, em média, R$ 0,36 mais barato após a greve, valor menor do que o desconto dado pelo governo
Hildeberto Jr
Preço médio do diesel S10 no bairro foi de R$ 3,59 (Foto: Tom Vieira Freitas/Folha de Alphaville)

O preço do diesel S10 nos postos de Alphaville está mais baixo, após a greve dos caminhoneiros. A redução do valor do combustível é menor que o desconto de R$ 0,46 concedido pelo governo em virtude da paralisação, que terminou no dia 31 de maio. Em levantamento feito pela Folha de Alphaville nos postos do bairro, na primeira semana de junho, o preço médio do diesel S10 foi de R$ 3,59, contra os R$ 3,95 verificado pela Agência Nacional de Petróleo (ANP) no mês de maio, uma redução de R$ 0,36. Nesta quarta-feira (6), o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse que a diminuição do valor depende de os postos de combustível esgotarem o estoque de diesel comprado antes de 1º de junho, quando a Petrobras ainda não havia reduzido o preço nas refinarias. 

Ainda de acordo com o ministro, outro fator para se chegar aos R$ 0,46, é os estados aplicarem a redução do valor do diesel na pauta de tributação do ICMS. Ele afirmou que isso deve acontecer até o próximo dia 15 de junho. O desconto de R$ 0,46 no preço diesel foi anunciado pelo 
presidente Michel Temer, no último dia 27 de maio, como uma forma de atender as reivindicações dos caminhoneiros que promoveram uma greve de 11 dias no final de maio. A paralisação da categoria gerou falta de combustíveis em postos em todo o Brasil e gerou problemas de abastecimento nos supermercados e centrais de distribuição de alimentos, como a Ceagesp. 

Desde o término da greve, o governo tem enfrentado dificuldades para garantir que o desconto de R$ 0,46 seja repassado pelos postos de combustível. Assim como em Alphaville, outras localidades do país também não têm registrado a queda de preço no diesel desejada pelo governo.

Antes e depois

O Ministério da Justiça publicou uma portaria que determina aos Procons estaduais e municipais exigirem dos postos de combustível a exibição “de forma clara e ostensiva” dos preços do diesel antes e depois da greve dos caminhoneiros. O documento ainda traz outras determinações que regulamentam a fiscalização em postos de combustível para verificar se a redução está sendo praticada. 

No estado de São Paulo, o Procon anunciou que reforçou, desde o dia 24 de maio, a fiscalização no intuito de combater práticas abusivas na formulação de preços e também o comércio de combustíveis adulterados . Uma dessas medidas foi a criação de um selo específico para denúncias e queixas contra postos de combustíveis, disponibilizado no site da entidade, redes sociais, atendimento eletrônico e pelo telefone 151. 

De acordo com o Procon SP, já foram registrados 1.147 atendimentos referentes ao aumento nos preços de combustíveis. A entidade destaca que fiscaliza a prática abusiva e não os preços em si, pois não existe tabelamento para os valores praticados. No entanto, é entendido como prática abusiva quando há um aumento injustificado dos preços repassados ao consumidor.