Será que Cuca vai dar jeito?  - Folha de Alphaville
03/08/2018
COLUNISTAS
Será que Cuca vai dar jeito? 
O momento do Santos é muito difícil
Colunista da Folha de Alphaville

Política, técnica e financeiramente as coisas estão bem complicadas. O presidente eleito em dezembro enfrenta três pedidos de impeachment. O time está na zona de rebaixamento no Campeonato Brasileiro e virtualmente eliminado da Copa do Brasil. Nesse contexto entenderam que mudar o treinador iria resolver todos os problemas. Será  ???

Não há dúvida que Cuca é mais experiente e mais valorizado no mercado do que Jair Ventura. Tem títulos na bagagem e sabe se impor junto a um grupo de jogadores. A questão é que as dificuldades do clube extrapolam a função do técnico. Um clube instável politicamente é o que de pior pode acontecer. É inevitável que a crise política tenha repercussão no campo de jogo. Não tem jeito.

O primeiro objetivo do novo técnico tem que ser tirar o time da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro. Isso assusta muito. É um fantasma, principalmente num clube que se orgulha de jamais ter sido rebaixado. A cada jogo a responsabilidade pesa. O tempo vai encurtando. E o drama só aumenta. Vencida essa etapa, o que o torcedor espera que ocorra rapidamente, aí sim outras metas poderão ser traçadas e perseguidas.

 A presença do torcedor nos jogos que o time manda é outro ponto fundamental para que a recuperação venha. Nem na Vila Belmiro nem no Pacaembu a torcida tem marcado presença. Assim fica mais difícil. O atleta se sente desprotegido e o adversário se fortalece.

Outro problema é a morosidade na chegada de reforços. O Santos trouxe três jogadores do exterior, mas não consegue regularizá-los. Corinthians e Flamengo contrataram jogadores bem depois e os caras já estão jogando.

Nesse contexto não basta trocar o treinador. Para vencer esse momento dificílimo o Santos precisa da união de todos os que gostam do clube. E é aí que mora o problema. A política separa as pessoas, divide até a paixão por um time de futebol. Não é mole.

 




Jornalista e administrador esportivo. Trabalhou nos principais veículos de comunicação do país, foi gerente de futebol do Grêmio Barueri e secretário de esporte da cidade. Atualmente é âncora e comentarista da Rádio Transamérica.