A Copa em que a FIFA derrotou o futebol - Folha de Alphaville
06/07/2018
COLUNISTAS
A Copa em que a FIFA derrotou o futebol
A maior de todas as distorções é, sem dúvida, a introdução do árbitro de vídeo
Colunista da Folha de Alphaville

Dentre outras coisas a Copa do Mundo da Rússia ficará marcada pela excessiva interferência da FIFA nas questões do jogo em si, modificando resultados, autoria de gols, aumentando artificialmente o número de pênaltis marcados e por aí vai.

A maior de todas as distorções é, sem dúvida, a introdução do árbitro de vídeo, que veio sem critérios definidos, sem isonomia de acesso entre as duas equipes, sem sequer passar perto de cumprir os objetivos aos quais se propôs. Estão retirando à força os poderes do árbitro central da partida em favor de uma simples tela de TV, com lances decididos por reproduções em câmera lenta, com falsas impressões sendo tomadas como verdades. Outro absurdo que permeou a participação dessa novidade no Mundial é a simples omissão em alguns lances. Por exemplo: na famosa cena da agressão do mexicano a Neymar, cena que correu o mundo. Aí sim era imperiosa a participação do árbitro de vídeo. E só havia dois caminhos: ou o mexicano agressor teria que ser expulso ou então, se comprovada a simulação, quem deveria ser severamente punido é o próprio Neymar, já que a FIFA alardeou que não iria tolerar fingimentos. Não fizeram uma coisa, nem outra.

Mais um desserviço que a FIFA está prestando é o aumento artificial do número de pênaltis marcados. Todos os recordes de marcações de penalidades máximas já foram batidos. Isso é inaceitável. Não é possível que, em nome dos interesses das emissoras de TV, já que, o pênalti é o momento de maior audiência das transmissões, árbitros passem a considerar pênaltis lances que antes jamais seriam marcados, como, por exemplo, quando a bola bate na mão de um defensor sem que ele ao menos saiba onde essa bola está.

Outro absurdo: a designação de gols contra para qualquer jogada onde a bola simplesmente toca num defensor antes de entrar. Chegaram ao cúmulo de retirar o gol de um atleta que cobrou um pênalti porque a bola bateu na trave e nas costas do goleiro. O gol foi consignado como tendo sido marcado contra pelo arqueiro.

Se a FIFA de Havelange e Blatter entrou para a história pelos inúmeros escândalos de corrupção a de Infantino caminha para se perpetuar pelos verdadeiros atentados cometidos contra o desenrolar simples de uma partida. Se é que também não esteja envolvida com corrupção. Ou que uma coisa não esteja ligada à outra. Vai saber ...




Jornalista e administrador esportivo. Trabalhou nos principais veículos de comunicação do país, foi gerente de futebol do Grêmio Barueri e secretário de esporte da cidade. Atualmente é âncora e comentarista da Rádio Transamérica.