Futebol não é circo - Folha de Alphaville
31/05/2018
COLUNISTAS
Futebol não é circo
Colunista da Folha de Alphaville

Na última Copa do Mundo várias situações durante a preparação da Seleção Brasileira na Granja Comary, em Teresópolis, mostraram que o foco dos jogadores estava completamente desvirtuado. Vários programas de TV com artistas que não têm nenhuma relação com o esporte foram rodados lá dentro chegando até a interromper treinamentos. E o resultado todos conhecemos.

Na semana passada alguns fatos similares chamaram atenção. Primeiro jogadores chegando de helicóptero num local que está a menos de uma hora de carro do Rio de Janeiro, numa ostentação sem nenhum sentido. E depois a famosa foto de Neymar com a sua namorada e o promoter David Brazil em pleno gramado, num local sagrado, que deveria ser frequentado apenas por atletas e comissão técnica.

 Não existe conquista de Copa do Mundo sem sacrifício. A Alemanha, aliás, nos ensinou isso mais uma vez há quatro anos. Para quem não se lembra, os alemães construíram uma concentração e um centro de treinamento no litoral sul da Bahia e lá permaneceram isolados durante toda a competição. Ao mesmo tempo jogadores da Itália eram vistos todo dia na praia de Copacabana e espanhóis passeavam pelas praias do Nordeste. Enquanto a Alemanha levantou o título, italianos e espanhóis sequer passaram da primeira fase.

Muitos podem achar que tudo isso é frescura, que o futebol é decidido apenas dentro de campo. A mim me parece indiscutível que quando há mais concentração, mais foco, mais sacrifício, a conquista fica mais próxima. Ninguém quer jogadores reclusos e incomunicáveis por dois meses, não é isso. Mas as atividades que nada têm a ver com futebol deveriam se restringir aos dias de folga, normalmente após cada uma das partidas. E o tempo dedicado aos celulares não pode ser ilimitado.

 Que os fatos da semana passada em Teresópolis tenham sido exceção. Que na Europa, onde a nossa delegação já se encontra, a prioridade total seja superar os adversários jogando um bom futebol. E que esse sacrifício seja premiado com aquilo que todos nós brasileiros queremos.




Jornalista e administrador esportivo. Trabalhou nos principais veículos de comunicação do país, foi gerente de futebol do Grêmio Barueri e secretário de esporte da cidade. Atualmente é âncora e comentarista da Rádio Transamérica.